Réveillon e o dólar: como se planejar financeiramente?

0
34

O Réveillon e o dólar são dois assuntos que começam a entrar em pauta. Afinal, estamos chegando perto do fim do ano, e o dólar ainda está bem alto. Isso pode ser um problema para quem não quer ficar em casa na virada.

Engana-se quem pensa que o dólar não influencia em nada nossas vidas. É importante dizer que essa moeda, mesmo sendo de outro país, interfere diretamente no nosso cotidiano – mesmo que não fique claro o motivo.

Neste post, vamos explicar o porquê de o dólar ser importante, qual sua tendência para 2021, a relação do Réveillon e o dólar, e até dar algumas dicas para se planejar.

Boa leitura!

Réveillon e o dólar

Por que o dólar é importante?

Embora não seja de conhecimento comum, quase nenhum produto é feito exclusivamente em um único país. Da mesma forma, a maior parte do que consumimos acaba por advir de importação, principalmente quando há muita tecnologia agregada.

Quando o dólar fica alto, é caro trazer produtos de outros países para cá – dado que a moeda norte-americana é a favorita do mercado internacional. Por outro lado, vender produtos para fora é muito interessante, mas tem um problema grave: causa escassez de produtos em solo nacional.

Portanto, se o dólar subir demais, tudo vai ficar caro – chegando a preços absurdos, em algumas situações.

Qual é a tendência do dólar para 2021?

Entre 4 de julho e 4 de agosto de 2021 (mais ou menos 1 mês), o dólar teve um valor máximo de R$ 5,26 e um valor mínimo de R$ 5,06. Dessa forma, podemos notar que há grande instabilidade em seu valor, e os motivos para isso são diversos.

A tendência do dólar, de acordo com a BTG Pactual, é bater os R$ 4,90 em dezembro de 2021. Já o relatório do Banco Central apontou R$ 5,04 para o dólar no mesmo período. Em 2022, há um consenso de que a moeda norte-americana ficará na casa dos R$ 5,20.

Réveillon e o dólar: qual a relação entre eles?

O dólar tem um impacto muito forte nas festas de fim de ano, ainda mais no Réveillon, onde o consumo de produtos e serviços é aflorado. Portanto, quanto mais alto estiver o dólar, mais salgado será o Réveillon.

Um dos serviços mais impactados é o de transporte, principalmente o ramo da aviação. Nesse caso, as passagens tendem a ficar mais caras, dado que a maioria dos aviões usam peças importadas (aumento de custo de manutenção).

Os bens de consumo também vão ser impactados. Todavia, se as previsões estiverem certas, o aumento não será muito maior do que vemos nos dias de hoje.

Como se planejar para o fim de ano?

Ao que tudo indica, não haverá muitos aumentos de preço em decorrência do dólar. Mas como toda boa previsão, devemos ficar com um pé atrás. Afinal, pode haver um evento que mude todo o cenário global a qualquer instante.

Para se planejar, siga as seguintes dicas:

  • Compre passagens com antecedência. 
  • Poupe uma fração de seu salário todos os meses. 
  • Evite fazer dívidas ao longo do ano. 
  • Compre dólar antes de viajar. 
  • Analise todas as opções de estadia. 
  • Planeje um roteiro inteligente.

Vamos comentar um pouco mais sobre elas nas próximas seções.

Compre passagens com antecedência

Se tem uma coisa que empresas de aviação adoram são clientes que compram passagens com antecedência. Assim o dinheiro pode ser usado pela companhia, e como não há uma alta demanda, as passagens saem mais em conta.

Uma dica  é comprar suas passagens com 6 meses de antecedência. No entanto, isso não é verdade sempre, dado que certos destinos são muito visados – e podem ter demanda da mesma forma.

Para economizar nas passagens, procure por aplicativos com alertas de preço. Assim você garante comprar no menor preço possível.

Poupe uma fração de seu salário todos os meses

Poupar uma fração do salário é obrigatório o ano todo. No caso, o ideal é garantir uma reserva de emergência antes de gastar dinheiro com lazer.

Antes da pandemia, o Primo Rico (Thiago Nigro) recomendava somar todos os seus gastos essenciais dos últimos 6 meses para encontrar sua reserva de emergência. Portanto, se você tem um gasto mensal de R$ 3 mil (só com o essencial), deve poupar R$ 18 mil.

Porém, por causa da crise sanitária global, esse valor subiu de 6 meses para 1 ano. Ou seja, agora é vital ter ao menos R$ 36 mil no banco.

Depois de atingir esse valor, aí sim você deve poupar para festas e viagens.

Evite fazer dívidas ao longo do ano

A melhor maneira de ter mais dinheiro é fazer bom uso de seu salário. No caso, deixar o cartão de crédito de lado pode ser uma excelente opção – ainda mais se você tem tendências consumistas.

Você vai notar que juntar dinheiro é melhor que parcelar. Afinal, é mais fácil conseguir descontos interessantes com o dinheiro na mão, ao passo que te livra dos terríveis juros.

Compre dólar antes de viajar

É possível comprar dólar no local de destino, só que você vai pagar muito mais caro por ele. Lembre-se que todas as operações no exterior contam com taxas, as quais minam aos poucos seu poder de compra.

Analise todas as opções de estadia

Se você está pensando em viajar no final do ano, tenha uma coisa em mente: nem sempre a mais cara é a melhor opção – ainda mais quando o assunto é hotel. 

Às vezes, opções mais em conta podem oferecer experiências ótimas, superando até mesmo estadias mais caras. Portanto, veja as opiniões sobre o local antes de fechar negócio.

Planeje um roteiro inteligente

Por último, é vital planejar um roteiro inteligente por conta própria. Ou seja, procure aproveitar ao máximo o passeio, mas sem gastar muito dinheiro para isso. No entanto, não fique preocupado com a quantia que está sendo gasta.

Busque balancear os gastos com a diversão. Não é porque um prato está muito caro que você vai deixar de prová-lo, ok?

Pronto, com estas dicas você não vai se preocupar com o Réveillon e o dólar. Afinal, estará preparado para o que der e vier!

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here